A Avenida Leitão da Silva, em Vitória-ES, é um dos locais por onde o trem urbano poderá circular

Governo do Estado estuda novo modelo de transporte que vai ligar Vitória a Serra e reduzir o tempo de viagem entre as cidades.

Para reduzir o tempo de viagem entre Serra e Vitória, o governo do Estado estuda um novo modelo de transporte para ligar as duas cidades: um trem urbano. O projeto, que será apresentado por empresas, contempla um trecho de 16 quilômetros.

A Secretaria de Estado de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi) publicou na última segunda-feira um edital de Proposta de Manifestação de Interesse, voltado para empresas que queiram elaborar projetos para a implantação de um modal ferroviário urbano.

O novo meio de transporte vai partir da BR-101, próximo ao viaduto da Vale, onde haverá o novo Terminal de Carapina, na Serra.
A ideia é que ele passe pela BR-101, avenidas Fernando Ferrari, Leitão da Silva, Cezar Hilal, depois siga pelo centro de Vitória, chegando até a Rodoviária de Vitória.

Pela proposta, as empresas terão de apresentar estudos de um veículo sobre trilhos, com capacidade para ser integrado ao Transcol e outros meios de transportes públicos e privados, como bicicletas e até automóveis.

O secretário da Semobi, Fábio Damasceno, explicou que a proposta partiu de uma empresa que tem uma tecnologia de um monotrilho leve (veículo sobre um único trilho), de média capacidade.

“Eles se ofereceram para fazer os estudos dessa tecnologia, então abrimos a proposta para outras empresas que queiram apresentar soluções nesse sentido, ou seja, que seja ferroviário e de baixa emissão de carbono, pelo menos elétrico. Não precisam ser iguais, pode ser um VLT (veículo leve sobre trilhos), um metrô de superfície ou um aeromóvel”.

No caso do monotrilho, a empresa chinesa BYD, em parceria com a Contractor Engenharia, já está autorizada a realizar os estudos e o projeto. “Esse é um modelo acima do asfalto e passaria por cima das avenidas, por isso não afetaria o trânsito nesses locais. São cerca de 16 quilômetros da BR-101 até a Rodoviária de Vitória”.

Damasceno explicou que outras empresas também terão até o dia 30 de janeiro para manifestar interesse em apresentar projetos. Depois, elas terão mais 90 dias para apresentar todos os estudos, que terão a viabilidade técnica, econômica e jurídicas avaliadas por equipes do governo do Estado.

“Esse é um traçado interessante por passar pela Leitão da Silva, que é uma rota em desenvolvimento, e que foi feito um alargamento”.

Trajeto

O que vem por aí

Trem urbano

A Secretaria de Mobilidade e Infraestrutura do governo do Estado está chamando empresas interessadas em elaborar projetos e estudos para a implantação de modal ferroviário urbano.
A empresa ficaria responsável por sua implantação, operação e manutenção de sistema de transporte público de passageiros, através de tecnologia de baixa emissão de carbono (como elétrica), mais sustentável com material rodante sob trilhos, interligando os municípios da Serra e de Vitória.

Os projetos

Cada empresa irá apresentar a melhor tecnologia, com estudos de impacto, demanda e valores.
Os modelos, como VLT (veículo leve sobre trilhos), aeromóvel, monotrilho ou metrô de superfície, por exemplo, deverão ser apresentados por cada empresa, seguindo o que considera mais viável para a região, com todos os estudos.
Eles podem ser modelos suspensos ou mesmo no nível do asfalto. A velocidade e tempo de trajeto dependem de cada solução apresentada.
Os trajetos, por exemplo, como será a ligação entre a avenida Fernando Ferrari e a Leitão da Silva, também vai depender do projeto apresentado por cada uma das empresas.

Monotrilho

O estudo sobre o novo modal ferroviário partiu de uma empresa chinesa, que manifestou interesse em apresentar um projeto de monotrilho (uma ferrovia constituída por um único trilho). A partir daí, o governo do Estado abriu o chamamento para outras empresas.
A ideia é que ele fique mais de cinco metros acima do asfalto, seguindo o traçado das principais avenidas. Dessa forma, não iria interferir no trânsito de veículos, e ganhar mais velocidade, com relação ao modal rodoviário.
A empresa chinesa BYD, em parceria com a Contractor Engenharia, já está autorizada a realizar os estudos e projeto, em um trajeto de cerca de 16 quilômetros.
A BYD Brasil já trabalha na construção de um modelo semelhante em Salvador (BA). Lá, o contrato, no valor de R$ 1,5 bilhão, será realizado por meio da modalidade de Parceria Público-Privada (PPP).

Integração

Os projetos apresentados deverão contar com integração com o sistema Transcol, assim como outros meios de transporte, como bicicletas e até automóveis.

Prazos

O edital foi publicado na segunda-feira e empresas que desejam elaborar projetos terão até o dia 30 de janeiro para demonstrar o interesse.
Após autorizadas, elas terão 90 dias para apresentar todos os estudos e os projetos, que serão posteriormente avaliados pelo governo do Estado, quanto à sua viabilidade.
Não há prazos ou definição para contratação das obras.

Fonte: tribunaonline

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui