Ex-gestor de Recursos Humanos do hospital, Jasiel Souza Câmara, foi demitido por justa causa em 2015 após ser denunciado pelo Conselho Regional de Administração (CRA-ES) por mentir sobre graduação de curso superior

O ex-gerente de Recursos Humanos da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Jasiel Souza Câmara, preso na última sexta-feira (24) na Operação RH por suspeita de desvios financeiros na instituição na ordem de R$ 1 milhão, já havia sido demitido por justa causa em outro hospital, mas por uso de diploma falso.

O caso aconteceu em 2015 no Hospital Estadual Doutor Jayme Santos Neves, na Serra, e teve o acompanhamento do Conselho Regional de Administração do Espírito Santo (CRA-ES). Na época, o CRA-ES denunciou Câmara junto ao Ministério Público Estadual (MPE). 

Ele tentou obter o registro profissional de administrador de empresas junto ao conselho e, para isso, apresentou um diploma falso de conclusão de curso. O registro é habilitação obrigatória para se exercer a profissão. 

“Quando ele apresentou o pedido de registro, a documentação passou pelo crivo de qualidade e foi descoberto que não tinha colado grau em Administração. O diploma foi analisado e contatou que não tinha sido emitido pela faculdade em questão. Acionamos imediatamente o hospital e o Ministério Público”, relembra  o administrador e integrante do setor de fiscalização do CRA-ES, Felipe Borges.

Naquele ano, o investigado atuava como gerente financeiro do hospital. O Ministério Público abriu um processo envolvendo exercício ilegal da profissão e falsidade ideológica por apresentar documento falso. O direção do Jayme acabou por demitir o suspeito por justa causa. 

Santa Casa pode ter falhado na contratação, aponta fiscal do CRA

Borges detalhou que os integrantes do setor de fiscalização do CRA-ES foram surpreendidos ao saberem que Câmara estava atuando como gestor de RH da Santa Casa de Vitória. Ele acredita que a instituição pode ter falhado na contratação.

“A Santa Casa, por algum motivo, não exigiu o registro dele, o que foi um lapso. Isso acaba deixando a instituição vulnerável à ação de pessoas que não estão ali para fazer um trabalho sério de administração de empresas, como foi o que aconteceu”, alerta.

O QUE DIZ A SANTA CASA DE VITÓRIA

A Santa Casa de Misericórdia de Vitória foi procurada para saber sobre os procedimentos de contratação no hospital e se foi exigido, na ocasião, o registro profissional do ex-gerente. Assim que a resposta for enviada, a matéria será atualizada.

Outro lado

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Jasiel Souza Câmara. 

Fonte Folha Vitória

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui