A privatização dos Correios está sendo planejada para o final de 2021 e pode acarretar a demissão de 40 mil trabalhadores. De acordo com a Folha de São Paulo, executivos de empresas privadas consultados pelo governo dizem que fariam o mesmo serviço com praticamente a metade do quadro atual de 100 mil funcionários.

A equipe econômica do governo não pretende absorver os trabalhadores que forem descartados com a venda da estatal, pois isto poderia criar um precedente para as próximas privatizações. Não há informações, no entanto, sobre como se daria o processo de demissão dos servidores.

Devido à complexidade da operação – que envolve também o passivo do fundo de pensão Postalis e com o plano de saúde dos trabalhadores -, a data prevista para a apresentação do formato de privatização ficou para o fim de 2021.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) propõe a quebra do monopólio dos Correios, mas a execução não é simples. A avaliação é que alcançaria apenas o setor de cartas e há dúvidas sobre se as empresas se interessarão em atuar fora dos grandes centros urbanos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui